segunda-feira, 17 de março de 2008

Rota

Este é o percurso feito nas primeiras três semanas, em Portugal e Espanha. Clica no mapa para ampliar.


12 comentários:

Pretazeta disse...

Boa, já só falta um bocadinho grande!!

Lia Bettencourt disse...

voltei passado alguns dias e vejo que um livro se avizinha....voces têm de passar todas as vossas histórias para um papel! ou façam um género de crónicas e mandem para um jornal qualquer! mas escrevam! há quem diga que uma palavra vale mais que mil imagens...e tem sentido esta frase.

beijos e um "brabo"(porque vem do Porto!!!) pela vossa ousadia

Anónimo disse...

Depois de uma noite mal - quase nada - dormida e uma vez que ninguém me atirou "borda fora", venho informar que escolhi "saltar" eu.
A imagem deste novo dia é perfeita para um triplo salto mortal sem rede e de olhos vendados.
Antes porém, respondendo a uma questão feita ontem sobre o que pretendia eu com a minha "Palmatória", a que não respondi de imediato, penso que a participação,record? de ontem, 40 post's! fala por si. O que eu queria era "agitar" entre-paragens, deles.
Tenho a secretária a rebentar pelas costuras, uma história escrita mas ainda por escrever, uns compassos atrasados... porque, é da minha natureza, pese embora não ser de Escorpião, sim, Sagitário, naturalmente, não me dar a nada que não seja por inteiro.
Por isso ontem, como diria o Oswaldo Montenegro, houve "facas no ar".
Não parto sem uma palavra ao Senhor Tenente a quem deixo o legado de ir "agitando".
Já agora se possível fique atento às curiosidades dos rapazes e vá-lhes levando umas novidades. Para a pergunta do Carlos, que ainda não vi respondida, talvez ele goste de saber que o Sporting passou aos quartos de final e vai defrontar o Glasgow? (não garanto), quanto ao campeonato, o melhor será que esqueça! É que eu sou do tempo em que a família se reunia na mesma sala em volta de um belíssimo transístor para ouvir o relato, transportado da Metrópole para essa África longínqua, no tempo em que o mesmo podia tanto ou mais do que um i-pod (uma referência cruzada a uma observação do Carlos no último vídeo que tanto sucesso fez).

Deixo-vos um abraço cordial e o tão ansiado adeus.

A vossa Palmatória

Jorge e Carlos disse...

Temos um pedido de desculpas a fazer... a rota neste mapa inclui um percurso entre Tarifa e Algeciras, que acabou por não ser feito. Por várias razões que depois explicaremos, optámos por apanhar o ferry em Tarifa. Assim que der, mudamos o mapa.

Anónimo disse...

Só para dizer....tava a ver que não chegavam a África...todos os dias a ver blog blog blog....mas enfim o esforço é compensado pela estampa de alegria na vossa cara!! beijos muito grandes e continuação de boa sorte!!! Janota

Inês Super disse...

Impressionante! So olhando para o mapa tive a nocao do quanto ja pedalaram. E de se louvar!
De resto, a vossa viagem ja se tornou tema de conversa ate aqui em Madrid. Anda tudo a vibrar com os tugas malucos que fazem jus aos descobridores portugueses.

Um grande beijinho,

Ines

Anónimo disse...

Já estas tão longe bzzzzzzzzz. Sempre no meu coraçao. Beijinho. Gisela

Anónimo disse...

Caros Jovens

Tenho 65 anos e estoua pensar em fazer uma viagem semelhante à vossa,mas a Itália pelo que agradecia alguns conselhos da vossa parte sobre quais os assuntos essenciais de que me deverei documentar.
Grato pelo a ajuda que me possam dar
A Damásio

Jorge e Carlos disse...

O mais importante, para nós, está na postura. Nas viagens, na vida, no dia-a-dia. Boas energias chamam boas energias. E se já está com disposição para se lançar nessa aventura, já é meio caminho andado.

É bom fazer alguma pesquisa e ter uma ideia do que "nos espera", mas uma das maravilhas de viajar é o imprevisto. O ter de resolver as coisas no momento, sem nos deixarmos levar pelo stress ou pelo pessimismo.

A net é uma fonte espectacular. Aliás: é "A" fonte. Procure por outras pessoas que fizeram viagens parecidas, veja trajectos e sítios para ver, curiosidades, etc. Mas não se "cole" a nada: viva a sua própria aventura.

Quando fizémos pesquisa para esta viagem, encontrámos uma frase que diz muito sobre viajar de bicicleta: descansa antes de estar cansado, come antes de ter fome, bebe antes de ter sede. Isto diz muito. Cada pessoa tem o seu ritmo, não vale a pena sermos campeões ou super-heróis. Nós não fizemos qualquer preparação física - e aqui estamos, 1000km depois. Não somos mais que ninguém, apenas viemos ao nosso ritmo.

O lonely planet é uma fonte muito boa, também. Porque permite viajar sem planear. É muito completo, pesa um bocadinho mas compensa.

Seja poupado no peso. Leve só o essencial. Esteja atento à meteorologia, há um site chamado windguru que é muito bom, tem os ventos muito detalhados. O vento é o pior inimigo de quem viaja de bicicleta. Pior que chuva.

Não trouxemos GPS e a bússola não serviu para nada. Temos um mapa normalíssimo e vamos perguntando na rua. Uma das maravilhas de viajar de bicicleta é que não temos nenhuma protecção entre nós e o mundo. Para algumas pessoas isso representa um perigo, por estarmos expostos. Mas para a maioria, para quem nos vê passar, para aqueles com quem interagimos, isso representa principalmente uma abertura maior. O facto de não nos "protegermos dos outros" quer dizer que também não somos uma "ameaça". Um muro alto pode impedir os estranhos de entrar, mas impede-nos principalmente de sair e vero que está lá fora, certo?

O nosso lema, nesta viagem, tem sido "está tudo na cabeça".

Ou seja e resumindo: com algum tempo pode ir onde quiser. Cada dia é uma experiência diferente, por isso não estabeleça metas "finais" muito rígidas. Se todas as manhãs tiver um objectivo, óptimo. Pode não o cumprir - vai acontecer muitas vezes - mas o mais provável é que não o cumpra por boas razões. Mantenha-se em estradas pequenas, que são mais calmas e normalmente mais giras, e pé no pedal, sem dar por isso está em Itália e com muitas histórias para contar.

Mais importante que o destino, é o caminho.

Anónimo disse...

Memória curta

Lamentável e triste! De tão centrados que vão nos vossos umbigos e às novas experiências que esquecem momentos ímpares de que se compõe afinal o todo.

Eis que leio "a bussúla não serviu para nada"! e levo um murro no estômago.
Aos primeiros anfitriões e a um pequeno e simbólico presente retribuem assim.

Anónimo disse...

É que podiam ter dito o mesmo por outras palavras e teria doído menos.

Jorge e Carlos disse...

Essa leitura parece-nos exagerada, e não acreditamos que quem tenha escrito isto seja quem nos deu "a" bússola.

A que nos deram em Santo André é uma relíquia que temos guardada como um tesouro. E que já usámos - por exemplo, para ver a direcção do vento.

A expressão pode ter sido infeliz, mas não retira o valor do gesto e do momento - como o mostrámos no vídeo, e como o vivemos naquela noite.

O objectivo do nosso post (dirigido a alguém que tem vontade de fazer o mesmo tipo de viagem) era ser prático e mostrar que não é preciso muito. O essencial basta.

Não queremos entrar em discussões. Para a próxima teremos mais cuidado para não sermos mal interpretados. E se quem ficou tão indignado é mesmo de Santo André, ficam as nossas desculpas pelo mal-entendido.