quarta-feira, 5 de março de 2008

Um holandês no cimo do monte

Tínhamos acabado de subir 3km de estrada, numa inclinação de 10%, sempre a empurrar as bikes. O sol ria-se nas nossas costas, as nuvens ainda tentaram tapá-lo, mas só por momentos. Ao chegar ao topo do monte, estávamos estafados - e a precisar de uma boa hora de repouso.

Vimos aquela árvore e não foi preciso dizer nada. Sombra!

Até parecia que tinhamos marcado encontro. A meio do picnic, aparece um carro vindo do nada, encosta à berma e estaciona perto de nós. Sai um homem nos seus sessentas, pergunta em inglês de que nacionalidade somos, e assim começa uma das conversas mais interessantes desta semana.

Era holandês, recentemente reformado, e “a tentar ser livre”.

“É difícil,” garantiu-nos, “quando se faz parte do sistema.”

A conversa foi recheada deste tipo de pérolas. E não sei se por cansaço ou deslumbre, mas nenhum dos dois se lembrou de pegar na câmara e filmar o senhor. Uma semana a fazer isso em quase todos os “encontros”, e quando aparece esta espécie de anjo, nem uma reacção.

Ficámos a ouvir, portanto. Conversas de viagens, de família, de coisas que vale a pena lembrar. Coisas como “o melhor da vida é olhar para trás e dizer ‘consegui’. ‘Era difícil, custou-me, mas consegui’”.

Pouco antes do senhor aparecer, tinhamos estado a falar sobre isso. Atingir o topo daquela subida foi de um esforço extremo, e não tinhamos quaisquer hipóteses de desistir, ou de adiar. Quantas vezes, no dia-a-dia, deparamo-nos com subidas bem menos inclinadas, e vamos deixando para amanhã, para “um dia destes”.

Subimos a estrada porque tinha de ser. Demorámos horas e suámos litros, mas chegámos ao topo. E em jeito de conclusão, só tenho a sublinhar a ideia de que "as coisas que conseguimos com esforço são aquelas que nos sabem melhor."

Ou como nos dizia uma das irmãs do Carlos, quando ao fim de quase dois anos conseguimos fazer vingar um projecto de viagem: há que ousar para conquistar.

by Jorge

9 comentários:

Helena disse...

acabei de ler o vosso post em primeirissima mao :). apesar de vos conhecer tão mal parece que algo nos une nesta aventura. deve ser mesmo a ousadia da aventura que faz com que voces estejam muitas vezes nos nossos pensamentos e conversas. Jorge curto muito a forma como escreves.Assim nem de videos precisamos para sentir o que voces estao a sentir e a passar.
tudo de bom
beijinhos
Helena falé

Anónimo disse...

Olá rapazes
tenho seguido a aventura no blog desde o 1 dia,e vou procurar acompahar-vos todos os dias.
Vocês encaixam bem no ditado
"FAZ DA TUA VIDA UM SONHO,E DOS TEUS SONHOS REALIDADE"
Eu acredito em vocês,força
Fiquem bem
Xicoração Xiclista

Anónimo disse...

Jorge gostei muito da crónica.
Ousar e conquistar, é verdade estão a atingir plenamente esse objectivo e da melhor maneira.
Com espírito de aventura mas também com sensibilidade.
Parabéns A.L

Kikas disse...

Jorge, a crónica está bestial! Fôlego para a vossa ousadia para continuarem a conquistar!
Beijinhos,
Kikas

Anónimo disse...

Adorei a história, continuem a partilhar a vossa viagem como têm feito que estamos a adorar!

Beijinhos
Mariana

jorgetwin disse...

As melhores memórias nem sempre são as que ficam registadas em imagens, ou melhor as imagens que ficam gravadas no imaginário valerão para vocês mais do que as visíveis que aqui irão deixar.

Anónimo disse...

Eu também tenho essa experiência, só se consegue algo quando arriscamos, mesmo sabendo que é dificil. E quando se chega ao topo de algo e olho para trás, sinto-me bem porque conseguí com o suor do meu rosto, atingir o que tanto queria! Continuação de boas pedaladas!
Beijo, Patrícia R.

Anónimo disse...

São estas experiências que nos deixam aqui agarrados aos computadores entre 4 paredes e cheios de inveja! Hehe
Continuação de boa viagem!
Bjs
Andreia

Anónimo disse...

Ao ler isto so reforça a minha ideia que ja esta a ser um sucesso e que ainda esta no principio as coisas boas. Obrigado por partilharem com quem por ca fica. Boa rapazes. Vibraçoes +++++++. Ass: Gisela