quarta-feira, 21 de maio de 2008




Paragem para pequeno-almoço e paisagem, a caminho de Bojador.


Já temos jantar!




Got a problem?

Despertar no Sahara, quase a chegar ao Bojador.



Bojador estilizado. A camisola amarela é a do Deco!

À espera de uma boleia.


Bombas de gasolina desactivadas, junto ao cruzamento para Dakhla.


Da esquerda para a direita: Mohammed, comerciante na área do import/export de roupa; Abduli, o nosso camionista; Carlos, o pernas-de-aço, radiante por chegar a um novo país.

12 comentários:

João disse...

Como é que é Aventureiros?!
Tenho comentado pouco aqui (para não dizer nada), mas isso não quer dizer que não siga num registo quase diário as vossas pedaladas rumo ao sul, e também os comentários mais ou menos pertinentes desta grande massa de adeptos que vos seguem da mesma maneira.

Inveja,
Admiração,
Vontade de rir,
Vontade de ir,
Vontade de ler mais
e Saudades.
Estes são o sentimentos recorrentes de quem aqui vos vem ler.
Grande abraço, e rumem lá pra norte que queremos vos ver de volta depressa.

Junior

Troca Letras disse...

Marrocos já está
Muito bom, é uma aventura das grandes – força nessas pernas

Anónimo disse...

"O Deus das Pequenas Coisas" anda sempre perto de vocês
( Dona de casa muito menos desesperada desde que frequenta este Blog)

Gisela disse...

Força ja falta pouco. Aproveitem tudo ate ao tutano. lol Muitas saudades muita vontade de abraçar. Mil beijinhos Take care. Vibraçoes +++++++++++++++++

A R disse...

Vcs Já estão de parabéns!...

PARA QUEM A GLÓRIA

A glória, nesta vida, é para quem paga os seus dias
com tudo o que possui
com pão, com alegria e com sangue
para quem espalha as suas dádivas e dissipa os perfumes
d'alma, do coração que escorre, gota a gota,
do incêndio das dores
A pura glória desta vida é só para quem morre
por um princípio, uma ideia
uma mão-cheia de terra
pelo canto de um pássaro nos jardins amáveis
por uma mulher com o rosto banhado em lágrimas
um sorriso furtivo nas rugas do pai
um chilreio nos lábios da criança
pelo riso do rio
uma tenda que os ventos açoitam de noite
a brotar de uma planta na encosta da montanha


(Versão de Muhammad Abdur Rashid Barahona)

(Apresentação do Autor e poema publicados em O Selo - Revista de Cultura Islâmica e Universal nº 3, 11 de Janeiro 1994 / 28 de Rajab 1414)

Anónimo disse...

Sendo este um forum livre, gostava de saber proque e que sou constantemente censurado.

O emplastro do Tenente reformado.

Anónimo disse...

Penso, que serás sensurado porque dizes palavrões e és uma má onda.
Ainda por cima usas o nome de uma pessoa que é completamente o teu oposto.
Não tens mais nada que fazer?
Censura-te tu a ti próprio e escusas de dar trabalho.

Anónimo disse...

É verdade, BÁAAAAZA de uma vez por todas. Não percebes que ningúem te quer cá? João Pestana

Anónimo disse...

E, mais...
Já Pitágoras dizia:

Se o que tens a dizer não é mais belo que o silêncio, então cala-te.

Anónimo disse...

Para o “emplastro”:

1º) porque GENTE ORDINÁRIA só frequenta locais ordinários

2º) porque usar o pseudónimo de outros é cobarde e reles

3º) porque a pergunta feita só evidencia um grave atraso mental

FIM

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...

Amiguinho... vai pregar para outra freguesia. Críticas toda a gente tem, gostos nem se discutem... mas ordinarices! Ainda por cima gratuitas, sem qualquer contexto... isso mesmo, baaaaza.