segunda-feira, 20 de outubro de 2008

de Lisboa à Zambujeira

21 de Fevereiro de 2008: partimos do Terreiro do Paço, em direcção a Dakar. Ficámos dois dias em Vila Fresca de Azeitão, de onde saímos com o Núcleo de BTT para Setúbal. Apanhámos o ferry para Tróia e almoçámos na Comporta. Na primeira noite, acampámos no Carvalhal. Descemos o Alentejo na direcção de Vila Nova de Santo André, onde fomos recebidos pelos Bombeiros Voluntários, e depois passámos por Sines, Porto Covo e Zambujeira do Mar, onde acampámos – junto ao canal do Festival do Sudoeste.

Curiosidade: reparem na intimidade evidente entre o Carlos e a Mikelina, os dois enfiados na tenda, na Zambujeira. Era assim todos os dias. A Penélope, por sua vez, não cabia na tenda do Jorge, que era mais pequena – por isso ficava só com a roda da frente lá dentro, e o resto envolvido por uma manga plástica.






















PASSATEMPO SALOMON

Qual foi o animal com que tivemos um “encontro imediato” logo na primeira noite de campismo selvagem?

A - rato
B - cobra
C - lacrau

Dica: há pelo menos dois videos onde mostramos este momento.

Não esquecer: as respostas são para enviar por e-mail!

5 comentários:

Anónimo disse...

Eu já respondi e as fotos e a ideia está o máximo. vão ver o que vai ser de respostas ....

Anónimo disse...

K bela ideia, vocês têm a cabeça no sítio, sim senhor. são literalmente uns idiotas, hihih...

vou passar todos os dias aki e tentar responder às perguntas, pode ser k ganhe! lol

Anónimo disse...

Mas voces dormiam MESMO com as biclas dentra das tendas???

só sei que nada sei disse...

Devia ser um forrobodó! lol

Jorge disse...

O Carlos, como tinha uma tenda para duas pessoas, dormia com a bicicleta dentro da tenda. Às vezes nem tinha de desmontar as alforjas, era só enfiar a bicicleta lá dentro. Assim não corria o risco de ser roubado durante a noite. Não era um risco muito elevado, mas podia acontecer - e homem prevenido vale por dois, não é?

Eu, como tinha uma tenda mais pequena (principalmente mais baixa) e a Penélope não cabia, punha só o pneu da frente e o guiador, e o resto ficava do lado de fora, envolvido por uma manga plástica para proteger da humidade, chuva e areia. As alforjas e todo o material ficavam comigo, dentro da tenda, claro. A certa altura já não tinha muita paciência para ter de me "encaixar" no espaço que sobrava e passei a deixá-la mesmo fora da tenda, mas amarrada com os cadeados que trouxémos, tanto à tenda como a alguma árvore ou outra coisa onde a pudesse prender.

Resultou, porque nunca tivemos problema nenhum!