terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

De Aveiro à Régua

Estamos em Braga, praticamente de partida para Viana do Castelo, via Barcelos. Mas voltemos um pouco atrás, a ver se pomos as fotos e peripécias em dia. Depois de Aveiro, rumámos a Viseu. Fomos de comboio para Nelas, porque já não tínhamos tempo para pedalar de uma cidade à outra, e depois pedalámos o resto. Nesta fase ainda chovia, e começaram os dramas com os furos e pneus já meio-esquisitos.





Fizemos alguns novos amigos em Viseu, incluindo o ucraniano Vladimir, que vai fazer uma longa viagem de bicicleta até à sua terra natal, mas passando por cerca de quarenta países. Serão mais de 15 mil quilómetros, sozinho! Coragem, Vladimir!

Em Castro Daire, fomos recebidos (melhor: colámo-nos) pelos Bombeiros Voluntários. Ficámos a dormir numa das camaratas e aproveitámos para estender o nosso equipamento num palco, para secar. Esta foi a fase mais molhada da viagem!





De Castro Daire subimos a serra, o nosso próximo destino era a Régua. Daí seguiríamos para a próxima apresentação, em Vila Real. Passámos a manhã a empurrar as bicicletas, mas assim que chegámos ao cume, soube bem passar o resto da tarde a descer.



Jorge com neve à vista, no topo da serra.

Na descida para a Régua, passámos por Lamego, onde "cravámos" um flute de champagne. Acabámos a visitar as caves e a aprender um bocadinho sobre este espumante. Alguém sabe porque é que se chama Raposeira?







Quase a chegar a Régua, passámos por esta casa com um jardim... muito original. Conversámos com o dono, que nos explicou como é que fazia para dar tantas formas aos arbustos, e ainda nos contou que o seu sonho era ter um esquilo no jardim, "a subir e a descer os arbustos".

Chegámos à Régua, com dois rebentamentos num dos pneus do Carlos. Foi uma tarde histórica, e estávamos tão inspirados que, em vez de ficarmos na Régua ou seguirmos directos para Vila Real, decidimos fazer um desvio. Apanhámos um comboio para o Pinhão. E as fotos do dia seguinte, a pedalar numa estrada fabulosa de volta para a Régua, ficam para amanhã. Agora vamos meter-nos à estrada, que se faz tarde. A ver se ainda passamos em Barcelos, a caminho de Viana!

12 comentários:

Anónimo disse...

Entre sombras misteriosas
em rompendo ao longe estrelas
trocaremos nossas rosas
para depois esquecê-las.

Se o meu sangue não me engana
como engana a fantasia
havemos de ir a Viana
ó meu amor de algum dia
ó meu amor de algum dia
havemos de ir a Viana
se o meu sangue não me engana
havemos de ir a Viana.

Partamos de flor ao peito
que o amor é como o vento
quem pára perde-lhe o jeito
e morre a todo o momento.

Se o meu sangue não me engana
como engana a fantasia
havemos de ir a Viana
ó meu amor de algum dia
ó meu amor de algum dia
havemos de ir a Viana
se o meu sangue não me engana
havemos de ir a Viana.

Ciganos, verdes ciganos
deixai-me com esta crença
os pecados têm vinte anos
os remorços têm oitenta.


Em homenagem aos nossos viajantes aqui deixo um poema de Pedro Homem de Melo natural de Viana beijinhos A.L

Anónimo disse...

Na volta ainda arranjam umas namoradas em Viana.
Acho que há lá muita miuda gira.
Mandem fotos lol

Anónimo disse...

Gosto muito de ouvir a Amália Rodrigues a cantar esse poema.

Filipa disse...

Estou a ler o vosso livro e estou a gostar muito! Que grande aventura que vocês tiveram. Falta coragem à maior parte de nós para fazermos uma viagem assim :)

familia Palma disse...

boas, boas...sempre a abrir até Viana...linda cidade

estamos juntos

bjs e abc

Anónimo disse...

Onde andam vocês?
Hummmmmm...pelas caves do vinho verde, sem bateria no computador, é claro...
Abraços, bom caminho a Viana
Dina das Dunas & PDD

dina disse...

O SILENCIO DOS INOCENTES ?!?
PM

familia Palma disse...

como andam os nossos amigos??? não se diz nada??? esperamos que sejam por boas razões e que traga novidades...

até ao Porto...

bjs e abc

Jest nas Wielu disse...

Oi,
me perdoem por uma pequena rectificação, sendo ucraniano, o homem só poderá se chamar Volodymyr, Vladimir é um russo.

Será que não há algum erro em dizer que ele passará por 40 países e fará 15.000 km? Parece muitos km entre Portugal e Ucrânia e muitos países (nem sei se a Europa continantal tem tantos)...

Anónimo disse...

Mónaco, Lichestein, Luxemburgo,Gibraltar Vaticano, Andorra, Pais das maravilhas, etc...

Jest nas Wielu disse...

Olá, gostaria de entrar em contacto com o tal ucraniano Volodymyr (Vladimir), pois gostaria de escrever sobre ele e também ajudar organizar lhe o apoio entre a Diáspora ucraniana na Europa.

Eis o meu post sobre Volodymyr:
http://ucrania-mozambique.blogspot.com/2009/02/volodymyr-o-descobridor.html

Jest nas Wielu disse...

Estimado, amigo, Carlos,

Muito obrigado pela sua ajuda em localizar o Volodymyr, vou já escrever para ele e todas as suas aventuras relatarei para vocês.

Já que não encontrei no vosso blogue nenhum e-mail, poderá deixar o seu contacto no meu blogue, as mensagens passam pela pré – moderação, vou ler e não vou autorizar a divulgação, desta maneira vosso e-mail não caia nas mãos dos spammers.

Abraço,
JNW