segunda-feira, 9 de junho de 2008

Vamos por partes


Parte 1 (de 3)
Pffff!
Saímos de Saint Louis para a última etapa da aventura, algures entre o sonho do final e a estreia absoluta na África negra. As pernas empurram-nos sólidas, a paisagem verdejante traz-nos à memória (pelo contraste) a longa temporada no Sahara.

Um ou dois quilómetros depois: priiiiii!!! Um polícia lingrinhas a boiar no uniforme manda-nos encostar. Analisa nervoso as bicicletas e encontra o que quer: uma desculpa. Não temos os capacetes postos – desde o norte de Marrocos, note-se. E depois vem o B-A-Ba do polícia corrupto: mete medo (pode reter as bicicletas 48 horas), lança um número (20€ de multa), e faz um preço de amigo (8 €). No fim despede-se com um sorriso, “pela vossa segurança!”.

Seguimos com um turbo extra de irritação.

Vão aparecendo na berma da estrada as aldeias do Canal Odisseia, mas sem os comentários em “Português do Brásiu”: “palhotas” com paredes de argila, o piso das ruas em areia, grandes árvores de sombra à entrada, gente sentada à volta dos velhos, mulheres a carregar alguidares de água, cabras à solta, crianças a correr e a acenar, com sorrisos de orelha a orelha... monsieur, donnez-moi un cadeaux!

Ficamos numa dessas Aldeias-Odisseia, e depois de um quase-motim infantil à volta da Penélope e da Mikelina, acampamos em casa do chefe da aldeia. Bebemos chá, comemos duma malga com toda a família e discutimos um possível casamento com uma neta. Exigem 3000€, uma televisão e um telemóvel. Respondemos que na Europa as palavras de amor também entram para o negócio – não chegamos a acordo.
Arrancamos na manhã seguinte, depois de saborearmos uma manga que dava para 10 copos de sumo. Ainda estamos a empurrar as meninas na areia, ajudados por algumas crianças... quando... pffff!, a Penélope estraga as contas perfeitas! Tínhamos um furo cada, em toda a viagem! Mas nada que nos desanime: pedalamos todo o dia sob um calor abrasador, até montar as tendas sob a sabedoria dum estrondoso embondeiro.

Nova alvorada... e pffff!, a Mikelina não quer ficar atrás da companheira – e desta vez não tem um furo mas uma cratera na borracha do pneu Made-in-India, já careca e luzidio, que já vem dos dias de Sidi Ifni, em Marrocos. Fazemos uma reparação Made-in-Senegal com dois remendos e fita cola, andamos mais uns metros e... pffff!, a Penélope contra-ataca e marca o 3-2. Será que as nossas meninas já estão imbutidas no espírito do Euro? Será que sabem que vão ser vendidas? Também vamos ter saudades vossas.

Vamos mesmo, a sério.

10 comentários:

A R disse...

Como eh que um Polícia Senegales vos autua por falta de capacete???
Se tivesse pago todas as multas... teriam sido umas 10!!!
A do excesso de velocidade, recomendei ao agente que fosse ao Oftalmologista, já que mediu com a vista... Valeu a conversa de 10 minutos com o ''chefe''' que dormitava ah sombra do imbondeiro!
Negociem... negociem... com ''um lote de amizade''!!!...
Abraços.
A R

Helena disse...

Eu acho uma pena voçês terem de vender a Penélope e a Mikelina....):...pensem bem....

Anónimo disse...

Por favor! essas bicicletas só podem ser vendidas no mínimo na mesma onda em que podemos vender os cachorros da nossa cadela que amamos.
A quem vão ser vendidas? Será que os vão tratar bem ?Têm referencias?
Vão ser a alegria dos donos e das crianças ou vão ficar esquecidas algures a enferrujar?
A Miquelina e a Penélope não são bicletas comuns têm a vossa fantástica enrgia de aventureiros!
Gostava muitos de as comprar para os meus filhos mas o pai deles diz que eu sou uma exotérica lunática e não cobre os 125 € mais os transportes.
Quem são os futuros donos?
( dona de casa desesperada)

Anónimo disse...

Tens toda a razão
Queremos referencias sobre os novos donos da Miquelina e da Penélope essas bicicletas aventureiras que se podem igualar às nossas caravelas. João Pestana

Anónimo disse...

Meninos, um leilao em Lisboa das vossas "meninas" seria um show!

Alem,que por certo o vosso slogan
modaria para:

ateaondevaiscom500euros.

Mas o problema e o transporte delas ate lisboa!Sera que nao arranjam em simultaneo uma boleia para elas...


sugestao da vossa madrinha!

Flávio disse...

É uma pena a venda das meninas, mas se com a venda tem o dinheiro necessário para voltar e não há hipótese de as trazerem convosco terá de ser, mas elas seriam mais que um ícone em vossa casa ou para quem as emprestou, pelo que consta não são vossas, um símbolo da aventura é o que elas são...

Mas também, serão elas que vos trazem a casa...

Boas decisões e ESPERO pelo resto da história da viagem...

ABRAÇOS e muita força :D já ESTÃO EM DAKAR :D

Anónimo disse...

Eu arriscava uma "vaquinha" para pagar a viagem das "meninas"!

Lisboa na ponta dos desdos disse...

estou muito orgulhosa ;-)

Bj, Sancha

Troca Letras disse...

A corrupção é uma tristeza
Eu odeio corruptos

Ursdens disse...

Uma dúvida:

Que árvores são as que estão na
foto, ao lado das vossas tendas?

São bem bonitas...